Mudanças Ambientais Globais

PPGs Envolvidos: CST, ETE, CAP, MET, SER, GES

Países: Alemanha; Argentina; Bélgica; Estados Unidos; França; Holanda; Reino Unido e Suécia.

Descrição: As recém-lançadas metas de desenvolvimento sustentável (“Sustainable Development Goals” – SDG) visam orientar as agendas e políticas públicas dos Estados membros da Organização das Nações Unidas (ONU) até o ano de 2030 e pesquisas neste tema prioritário podem contribuir significativamente na produção de indicadores relevantes para algumas SDGs e para o processo de desenvolvimento sustentável do planeta. Neste contexto, na área temática de Mudanças Ambientais Globais, propõe-se desenvolver pesquisas interdisciplinares e conhecimento na busca de soluções e tecnologias cientificamente embasadas que promovam o caminho em direção um desenvolvimento sustentável, seguro e socialmente justo, minimizando impactos negativos de mudanças ambientais regionais, particularmente na região tropical, e globais, nos sistemas socioeconômicos e naturais vitais para a sustentabilidade ambiental e para o bem estar humano, no que se refere ao acesso à alimentação, recursos hídricos, energia e saúde.

A complexidade das interações dos componentes do sistema natural (oceanos, atmosfera, criosfera, solo-vegetação) entre si, assim como a modelagem da interação deste sistema (biogeofísica, biogeoquímica e biodiversidade) com os sistemas humanos (instituições, políticas, cultura, economia, demografia, etc) exige uma abordagem transdisciplinar que só pode ser alcançada com a participação de várias áreas de pesquisa do INPE. Deve-se envolver, por exemplo, aspectos de engenharia e desenvolvimento de tecnologias espaciais, ciências atmosféricas e da física planetária, além de técnicas computacionais e de geoprocessamento para aplicações de sensores orbitais em problemas relacionados a agricultura tropical, ecossistemas tropicais e ciências ambientais, buscando entender a dinâmica da complexa interação de sistemas naturais e sociais. Busca-se priorizar ações visando promover parcerias internacionais em pesquisas em áreas de:

  • Modelagem do Sistema Terrestre
  • Diagnósticos e Cenários de Interações Sócio-Ambientais
  • Redes de Observação do Sistema Terrestre
  • Nexo Água-Energia-Segurança Alimentar

Na área de modelagem, um dos grandes desafios científicos é a capacidade em representar o sistema terrestre, abrangendo não somente as dimensões físicas e biológicas, como também as dimensões humanas. O desafio de estudar de forma integrada estas dimensões é algo embrionário globalmente, sobretudo nos países em desenvolvimento. Dentre as várias ações de pesquisas sólidas e aprofundadas realizadas no PPG-INPE, existem diversos esforços colaborativos, nas áreas de desenvolvimento de arcabouço computacionais de modelagem que representem os diferentes componentes do Sistema Terrestre, assim como parametrização de modelos existentes, como por exemplo, modelagem da dinâmica da biosfera terrestre, modelos de mudanças de uso e cobertura da terra e emissões de gases de efeito estufa, modelos ecohidrológicos e agrícolas, assim como modelagem climática regional visando a construção de cenários e impacto das mudanças climáticas a nível regional.

Outro eixo de atividades busca pesquisas para sintetizar bases de dados observacionais confiáveis, com histórico e perspectiva futura que permitam captar os efeitos de mudanças ambientais globais, em diferentes domínios da superfície terrestre, como por exemplo, redes de medições de gases de efeito estufa e ciclos biogeoquímicos, caracterização do potencial para produção de energias renováveis e detecção de descargas elétricas atmosféricas.

São também incentivadas pesquisas visando a formulação de cenários para desenvolvimento sustentável, integrando resultados de atividades de observação e modelagem, propondo-se a transição da lógica de pesquisa tradicional, focada em estudos de impactos socioambientais, para a análise das trajetórias, limites e padrões espaço-temporais sob os quais a estabilidade dos sistemas naturais pode ser sustentada. Esta transição representa um dos maiores desafios à ciência moderna e também um aspecto fundamental para subsidiar a formulação de políticas públicas mais consistentes.

Finalmente, destaca-se que em face às crescentes pressões aos recursos naturais no contexto das mudanças ambientais atuais, a inter-relação das ações antrópicas com o meio ambiente no Brasil tem papel fundamental no sistema climático global, devido à grande área territorial do país, à riqueza de recursos e biodiversidade de seus biomas e à significativa interdependência da base econômica com os recursos naturais renováveis e com sua cobertura vegetal.

O progresso das pesquisas científicas na área de Ciências para a Sustentabilidade tem como uma das suas temáticas centrais o nexo entre água, energia e segurança alimentar e requer o entendimento do problema em múltiplas escalas. Assim, sua gestão requer abordagens inovativas que possam capacitar a tomada de decisão nas esferas públicas e privadas em favor da sustentabilidade com equidade e bem-estar humano.